Karnaval.com.br
GUIA VIRTUAL DO CARNAVAL DE DIAMANTINA MG        

 

Origem e História

Carnaval vem do latim carnelevament, modificado depois em carnevale! Quanto à origem, tem sido atribuído à evolução e à sobrevivência do culto de Ísis, dos festejos em honra de Dionísios, na Grécia, e até mesmo às festas dos "inocentes" e "doidos", na idade Média, dando origem aos mais famosos carnavais dos tempos modernos.

No Brasil colonial, e até nos primeiros tempos da República, o carnaval teria como principal nota característica o entrudo (do latim entroito, entrada) trazido de Portugal. Era uma brincadeira violenta, com uso de água, farinha-do-reino, fuligem, gema, cal, pó-de-sapato, alvaiade e vermelhão, que empapavam o transeunte. Em 1904, essa modalidade foi proibida, assumindo formas de maior leveza e graça, substituindo aqueles elementos por limões de cheiro e borrachas com água perfumada, além de bisnagas, precursoras do lança-perfumes, feitas de metal e introduzidas em 1885. A brincadeira, desde a mais remota antiguidade, empolgava a todos inclusive os altos personagens do Império, que jogavam ovos podres e talos de hortaliças. O entrudo envolveria até o Imperador Pedro II. O desfile de carros alegóricos teve início provavelmente em 1885, com o aparecimento do Congresso das Sumidades Carnavalescas. O primeiro baile de máscaras realizou-se em 1840. Esse baile foi seguido por inúmeros outros, de maior repercussão e afluência. Os bailes públicos tomaram conta das cidades, não só nos salões mas em lugares mais acessíveis ao povo.

No final do século XVIII, surgiram os blocos e os cordões, núcleos que se originariam nas duas mais vigorosas e típicas manifestações coletivas do carnaval de hoje, isto é, o carnaval de rua, os blocos e, sobretudo, as escolas de samba. A maior atenção do carnaval de rua sempre foi o desfile de carros alegóricos, com suas críticas e sátiras, adotando como temas de crítica os acontecimentos mais em voga da época.

A primeira música, especialmente composta para o carnaval, foi o Abre Alas, de Chiquinha Gonzaga, em 1899, composta para o cordão carnavalesco Rosa de Ouro, título alusivo ao presente enviado pelo Papa Leão XIII à princesa Isabel, pela promulgação da Lei Áurea. No Brasil, ao contrário do que ocorre em outros países, o carnaval se caracteriza antes pela manifestação da euforia coletiva, do desabafo popular, do humor ingênuo das multidões que saem pelas ruas para cantar suas dores e alegrias, como se pode observar nos blocos caricatos.

Continua a crescer o prestígio do carnaval brasileiro em regiões que se valem de suas características locais para transformar os festejos momescos em acontecimentos de importância no calendário turístico internacional.

As tradições satíricas diamantinenses remontam desde a fundação do antigo teatro Santa Isabel, em peças magistrais que pilheriavam a situação política, os costumes e o cotidiano. Em cortejo pelas ruas, os tejucanos enfrentavam, com ironia, o despotismo administrativo da época, que teve o seu ápice com o temido e execrado Livro da Capa Verde em 1771. Tal regimento imperou tiranicamente sobre o comércio dos diamantes e teve sua revogação em 1821, quando o antigo arraial exaltou-se em festas num verdadeiro júbilo popular. A verve irônica, criativa e crítica dos antigos carnavais perdura até os nossos dias.

© Copyright Karnaval.com.br / Diamantinanet.com.br
Todos os direitos reservados. All rights reserved.